Líderes mundiais lamentam morte de Desmond Tutu: “Ele encontrava humanidade em seus adversários”

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
www.brasil247.com - Desmond Tutu

RFI – O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama, o primeiro líder negro do país, chamou Tutu de “um mentor, um amigo e uma bússola moral”, aberto para “encontrar humanidade em seus adversários”. Obama, assim como Tutu, também ganhou o prêmio Nobel da Paz. 

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que Tutu “será lembrado por sua liderança espiritual e bom humor irrepreensível”. Líderes do mundo inteiro se uniram para prestar homenagens ao grande ícone da luta contra o apartheid. 

Desmond Tutu morreu aos 90 anos neste domingo (26), na África do Sul.

“Um espírito universal, o arcebispo Tutu estava enraizado na luta pela libertação e pela justiça em seu próprio país, mas também preocupado com a injustiça em toda parte”, disse o ex-presidente americano em um comunicado.

“Ele nunca perdeu seu senso de humor travesso e sua disposição de encontrar humanidade em seus adversários, e Michelle e eu sentiremos muita falta dele”, continuou Obama em outro tuíte. 

O atual presidente americano, Joe Biden, “com o coração partido”, diz que o exemplo de Desmond Tutu “transcende fronteiras”. 

O Vaticano disse em um comunicado que o Papa Francisco estava entristecido e ofereceu “sinceras condolências a sua família e entes queridos”.

“Ciente de seu serviço ao evangelho por meio da promoção da igualdade racial e da reconciliação em sua África do Sul natal, sua santidade entrega sua alma à misericórdia amorosa do Deus Todo-Poderoso.”

A Rainha Elizabeth II chamou Tutu de “homem que defendeu incansavelmente os direitos humanos na África do Sul e em todo o mundo”. “Lembro-me com carinho de meus encontros com ele e de seu grande calor e humor”, disse ela em um comunicado.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse estar “profundamente entristecido” pela morte de Tutu. “Ele foi uma figura crítica na luta contra o apartheid e na luta para criar uma nova África do Sul – e será lembrado por sua liderança espiritual e bom humor irrepreensível”, tuitou Johnson.

O presidente francês Emmanuel Macron disse que Tutu “dedicou sua vida aos direitos humanos e à igualdade entre os povos”. “Sua luta pelo fim do apartheid e pela reconciliação na África do Sul permanecerá em nossa memória”, tuitou.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, manifestou sua solidariedade à família de Tutu, ao presidente Cyril Ramaphosa e ao povo sul-africano em geral.

“Um homem que deu sua vida pela liberdade com um profundo compromisso com a dignidade humana. Um gigante que se levantou contra o apartheid. Sua falta será profundamente sentida”, escreveu ele no Twitter.

O primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Store, prestou homenagem a um homem que “mostrou o poder da reconciliação e do perdão”. Destacando o prêmio Nobel de Tutu, ele acrescentou: “Nunca um prêmio da paz foi tão adequado.”

Desmond Tutu, “uma das grandes figuras do século XX”, deixa “um legado a toda a humanidade”, escreveu o presidente português Marcelo Rebelo de Sousa.

O presidente alemão Frank-Walter Steinmeier saudou a memória de um “homem maravilhoso” e “um dos maiores combatentes do mundo contra o apartheid, pela democracia e pelos direitos humanos”.

A África lamenta a perda do seu líder

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, expressou “sua profunda tristeza pela morte” deste “patriota inigualável”. Sua morte “é um novo capítulo de luto no adeus de nossa nação a uma geração de sul-africanos excepcionais que nos deixou uma África do Sul libertada”, disse ele, referindo-se a “um homem de inteligência extraordinário, honesto e invencível contra as forças do apartheid”.

Mary Robinson, presidente do The Elders, um grupo de líderes globais que trabalham pela paz e pelos direitos humanos co-fundado por Tutu, disse que “estamos todos devastados”.  “Ele me inspirou a ser um ‘prisioneiro da esperança’, em sua frase inimitável”, disse Robinson, ex-presidente da Irlanda.

Os Elders disseram em um comunicado que “perderam um amigo querido, cuja risada contagiante e senso de humor malicioso os encantou e encantou a todos”.

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, disse que o falecimento de Tutu foi “um grande golpe” não apenas para a África do Sul, mas para todo o continente africano.

“O arcebispo Tutu inspirou uma geração de líderes africanos que abraçou suas abordagens não violentas na luta de libertação”, disse ele.

“Um gigante caiu”, escreveu Bobi Wine, líder da oposição em Uganda, no Twitter.

“Agradecemos a Deus por sua vida – uma vida com propósito, verdadeiramente vivida ao serviço da humanidade. Que sua alma descanse em paz. Condolências a todas as pessoas no mundo inteiro que foram tocadas por sua vida e ministério.”

A Fundação Nelson Mandela disse que a perda de Tutu foi “incomensurável”.

“Ele era maior do que a própria vida, e para muitos na África do Sul e ao redor do mundo sua vida tem sido uma bênção. “Ele era um ser humano extraordinário. Um pensador. Um líder. Um pastor.”

Tutu e Nelson Mandela se conheceram na década de 1950, mas não se viram novamente por décadas, até o dia em que Mandela foi libertado da prisão, em 1990. Mandela ficou na casa de Tutu naquela noite.

O arcebispo da Cidade do Cabo, Thabo Makgoba, disse que a vida de Tutu, uma “pessoa profundamente espiritual”, deve ser celebrada. “Ele apontava o que estava errado onde quer que tenha visto e por quem foi cometido. Ele desafiou os sistemas que rebaixavam a humanidade.”

Ícone da luta contra o Apartheid

Um dos símbolos da luta contra o Apartheid, Desmond Tutu desempenhou até o fim o papel da consciência moral da África do Sul, criticando os níveis de violência e corrupção no país.

O arcebispo anglicano fará muita falta para a “nação arco-íris”, uma expressão que ele cunhou.

Desmond Tutu, filho de um professor e uma lavadeira, cresceu em Klerksdorp, a 150 km de Joanesburgo e foi o segundo sul-africano na história a receber o Prêmio Nobel da Paz, em 1984.

Durante os distúrbios sanguinários em Soweto, em 1976, Desmond Tutu, o primeiro líder negro da Igreja Anglicana na África do Sul, denunciou a violência policial contra crianças.

“O apartheid é o sistema mais vicioso inventado pelo homem desde o nazismo”, dizia Tutu em 1980.

Os Afrikaners, que se consideravam um povo eleito, responsável por uma missão civilizadora, foram reduzidos por ele à categoria de pecadores. Com Tutu, a resistência negra se torna teológica.

Primeiro arcebispo negro

No auge da repressão, Desmond Tutu foi chamado de todos os nomes pelos nacionalistas Afrikaner. Quando ele recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1984, os sul-africanos viram nisso um forte sinal de apoio do exterior.

As sanções econômicas internacionais, qpelas quais ele tanto apelou e que ajudariam a dobrar o regime, entraram em vigor em 1985. Um ano depois, Tutu foi nomeado o primeiro arcebispo negro da Igreja Anglicana na África do Sul e deixou Soweto para fixar residência em uma residência confortável na Cidade do Cabo.

Após o advento da democracia multirracial em 1994, ele teve que desistir de seus planos de aposentadoria para prestar um serviço inestimável ao presidente eleito Nelson Mandela: chefiar a Comissão de Verdade e Reconciliação. Ele era então considerado o “príncipe da compaixão”, como observa o historiador sul-africano Allister Sparks.

Tutu investigaria as violações dos direitos humanos cometidas entre 1 ° de março de 1960 (massacre de Sharpeville) e 5 de dezembro de 1993 (fim da transição).

A Comissão viajou pelo país para coletar queixas das vítimas e reunir informações sobre as atrocidades cometidas. Uma comissão especial encarregada das anistias examinava os pedidos de perdão formulados pelos ex-algozes, que seriam concedidos em troca da verdade. 

(Com AFP e RFI)

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Últimas Notícias

Tv Bate Tuntum

Siga-me