Em nova ofensiva, Israel classifica seis ONGs palestinas como “organizações terroristas”

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Brasil de Fato –O Ministério da Defesa de Israel emitiu uma ordem militar nesta sexta (22) em que determina que seis organizações não-governamentais (ONGS) palestinas passam a ter o status de “organizações terroristas” e, portanto, de entidades ilegais.

Com a medida, as forças israelenses de ocupação poderão fechar os escritórios das organizações, apreender e confiscar seus bens, prender seus membros e proibir atos de financiamento e apoio.

As organizações atingidas são: Addameer (palavra em árabe para “consciência”), al-Haq (palavra para “justiça”, Defesa das Crianças da Palestina (DCI), União dos Comitês de Trabalho Agrícola, Centro Bisan para Pesquisa e Desenvolvimento e Comitê da União das Mulheres Palestinas.

Ou seja, grupos que atuam e advogam nas áreas de direitos humanos, responsabilização de Israel por crimes internacionais e luta pela terra.

Israel afirma que as ONGs são ligadas à Frente Popular pela Libertação da Palestina (FPLP). “Essas organizações fazem parte de uma rede que, sob o pretexto de atividades internacionais, dependem da FPLP para apoiar seus objetivos e promover suas atividades”, disse o ministro da Defesa, Benny Gantz, em comunicado.

O Centro Legal para os Direitos da Minoria Árabe em Israel (Adalah) afirmou que a medida atingiu as organizações de direitos humanos mais proeminentes na Palestina.

“A decisão israelense de designar seis organizações de direitos humanos e da sociedade civil como organizações terroristas é um ataque sem precedentes aos defensores dos direitos humanos que estão expondo e resistindo à ocupação israelense e suas políticas de apartheid na Cisjordânia”, disse o Adalah.

A Anistia Internacional e a Human Rights Watch também criticaram a decisão israelense em comunicado.

Em trecho do comunicado, as duas organizações afirmam que “o fracasso de décadas da comunidade internacional em desafiar os graves abusos israelenses de direitos humanos e impor consequências significativas a eles acabou por fortalecer autoridades israelenses a agir dessa maneira descarada”.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter